18 de out de 2012

Sentindo pelos outros (1)


  “ Chorai com os que choram” Romanos 12:15

Em 1883, a poetisa Ella Wheeler Wilcox viajava de trem para um baile inaugural quando reparou em uma mulher chorando em um dos corredores. Wilcox passou o resto da viagem a confortá-la e quando chegou ao seu destino, estava sem vontade de comemorar. Mais tarde, lembrando-se daquela mulher, escreveu as linhas de abertura do seu famoso poema Solitude (Solidão): “Laugh, and the world laughs with you, weep, and you weep alone”. (Ri, e o mundo ri contigo, chora e choras sozinho).

Holly Vicente Robaina diz: “Rimos… brincamos… e celebramos juntos. Por que razão é tão difícil chorar juntos?.. Quando os amigos estão a sofrer, os cristãos dizem: “Vou orar por você”… e em alguns casos Deus cura e restaura, mas às vezes não há milagre, apenas uma profunda tristeza”.

C. S. Lewis escreveu sobre perder a sua esposa: “Onde está Deus?... Dirige-se a Ele quando está desesperado e o que encontra? Uma porta fechada na sua cara e o som de uma chave a rodar uma e outra vez lá dentro”. Não me parece que Lewis tivesse se sentido confortado com “Deus te ama… vou orar por você.” Embora seja bom exortar, precisamos avaliar as nossas palavras antes de falarmos. Estamos a usar “encorajamento” para ignorar a dor de alguém porque não queremos lidar com ela?

Sentimos mesmo o que dizemos  ou estamos agindo como se pudessemos fazer um trabalho melhor do que o do “Consolador”? Quando prometemos orar por alguém, mais tarde vamos ver como esta pessoa está? Já se perguntou por que razão Jesus chorou junto ao túmulo de Lázaro? Ele podia simplesmente ter dito aos enlutados: “Está tudo bem, amigos. Deus ama vocês!” e depois ressuscitava a Lázaro. Em vez disso, mostrou o Seu amor chorando com eles.

A Palavra para Hoje UCB Portugal