22 de set de 2012

Um amor incomparável!

Por Fábio Della Pasqua

Existe uma palavra que está presente desde o ínicio no coração e na mente do Pai.
Essa palavra é: Amor. Se atentamente analisarmos a história da criação, veremos que o homem foi criado por um Pai carinhoso (Génesis 1:27), que este Pai soprou o fôlego da vida em suas narinas (Génesis 2:7) e que comprometeu-se pessoalmente, ao fazer com suas próprias mãos, a primazia de sua criação. De um modo tremendo fomos formados, prova disso é que ao relebrar a maneira como Deus nos criou, o salmista declara-se espantado e maravilhado diante do envolvimento do Senhor em todo o processo (Salmos 139:14).

No início tudo ia bem e andava conforme o planejado, mas então o homem resolveu desobedecer o criador e no Éden rejeitou o seu amor. Tal rebelião trouxe o pecado e este, trouxe a separação entre o homem e Deus.

De lá pra cá, vemos o homem, ano após ano, tentando traçar seu próprio caminho, não se importando com essa separação, mergulhando cada vez mais em seus pecados.  Apesar disso, podemos ver Deus tentando resgatar o homem e fazer com que este se aproxime novamente e tenha a oportunidade de viver próximo do Senhor. 

Por causa do seu enorme amor Ele continua tentando atraír-nos e não desiste de ter-nos ao seu lado.

O livro do profeta Oséias nos mostra uma tentativa radical por parte de Deus para mostrar ao povo que eles deveriam se arrepender e voltar a andar com Ele. "Oséias" quer dizer "salvação" e revela perfeitamente o teor da sua mensagem ao povo.

O livro ilustra e relata, entre outras coisas, o casamento de Oséias com uma mulher chamada Gômer e o posterior adultério que esta comete. Este relato, expõe o coração de Deus nos mostrando que aquilo que o profeta vivia no próprio casamento, era o que Deus estava vivendo com relação a Israel. Os primeiros três capítulos descrevem a vida de Oséias. Ele se casa, mas a mulher dele se torna adúltera. Ele sofre então com a infidelidade dela, mas ainda assim mostra misericórdia para tomá-la de volta, não se importando com sua reputação.

Do mesmo modo,  Deus vê a sua noiva, o povo de Israel, se envolvendo com "outros deuses", cometendo adultério espiritual e toda a sorte de pecados. Mesmo assim, Ele também tem misericórdia para se reconciliar com sua “esposa adúltera” e estabelecer uma nova aliança com ela.

Oséias condena os pecados do povo, mas apresenta uma mensagem de esperança e perdão.
Deus ao longo deste  livro, constantemente se revela ao seu povo procurando despertá-lo ao arrependimento e à comunhão. Inúmeras palavras de esperança brotam do coração do Pai demonstrando a sua graça, sua dor e sua compaixão. Seu coração grita querendo expressar todo seu amor. 

Um exemplo disso pode ser encontrado no capítulo 11, onde no verso 8,  vemos uma das mais lindas declarações de amor alguma vez escritas:
“Como posso desistir de você, Efraim? Como posso entregá-lo nas mãos de outros, Israel? Como posso tratá-lo com tratei Admá? Como posso fazer com você o que fiz com Zeboim?

Apesar da compaixão, do amor e da misericórdia do Senhor, infelizmente o povo de Israel constantemente escolhia seguir seu próprio caminho. A humanidade de maneira geral, ainda hoje, está andando nessa gangorra espiritual, ora perto de Deus, ora completamente afastado dele.

Mas graças a Ele ainda temos uma esperança e ela não é somente constituídas por palavras. Deus viu que não resultou transmitir o seu amor ou tentar ilustrá-lo através da vida de um profeta, então Ele se dispôs a rasgar o céu e descer até nós, ser pregado numa cruz, sofrer em nosso lugar e cobrir de uma vez por todas uma multidão de pecado. Deus, em um corpo humano, se entregou, redimiu e reconciliou consigo toda humanidade, dando assim oportunidade não só ao povo originalmente escolhido, mas a todo homem, de viver  próximo Dele e desfrutar de sua presença e companhia.

Quando Jesus bradou: “está consumado”, a expressão “amor”, acabava de ganhar a sua mais perfeita ilustração.