2 de jan de 2018

Como você irá viver em 2018?

Tiago 4:13-15 “Ouçam agora, vocês que dizem: "Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro". Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa. Ao invés disso, deveriam dizer: "Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo”.

Você já parou para pensar que a qualquer momento pode ver a sua existência chegar ao fim?
           Já alguma vez deu-se conta da sua fragilidade e de como está sujeito a toda sorte de acontecimentos que podem lhe afetar de forma séria e inesperada?
Esquecemos que somos frágeis e de que somos como uma nuvem (uma neblina) passageira, que logo aparece e no instante seguinte desaparece. Contudo, somente para que possamos sobreviver e continuar existindo, tudo no nosso corpo precisa funcionar e muitas coisas e situações ao nosso redor precisam colaborar também.
Somente quando algo dá errado (doenças, por exemplo) ou foge do que consideramos corriqueiro (acidentes, por exemplo), é que nos damos conta de que não iremos durar para sempre (neste corpo). Nestas situações, invariavelmente a grande maioria de nós se lembra de Deus.
Apesar de muitos o conhecerem e de até mesmo quererem agradá-lo, de maneira tola e irresponsável, esquecemos que não somos nós que controlamos a vida e que tudo tem a ver com Deus e nada tem a ver conosco. Somos figurantes, participantes do plano de Deus aqui na Terra. Não somos o centro das atenções. Não somos os personagens principais.
Deus criou tudo. Ele é dono de tudo. E somente decidiu nos incluir nesse enredo, nos fazendo participantes de sua obra. Nossa vida aqui é breve. Temos somente alguns poucos anos para o obedecer, para o alegrar e para o glorificar.
Paulo declara em 1 Coríntios 10:31: Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus”. Portanto, o desafio para este ano que se inicia é: não pensarmos somente em nós mesmos e usarmos o tempo que temos aqui para agradar a Deus.
Nosso objetivo é elevar seu nome, pois ele é o motivo de tudo, inclusive da nossa existência. Podemos ficar onde estamos, fazendo aquilo que estamos habituados a fazer ou podemos entregar nossa vida para cumprir seus planos e propósitos. A escolha é nossa. A brevidade e imprevisibilidade da vida tem de nos fazer pensar a respeito do que é realmente importante e daquilo que é urgente.
Em seu livro Louco amor, o pastor americano Francis Chan conta a seguinte história: Como pastor, costumo ser chamado quando a vida "se dissipa" como a neblina. Um dos exemplos mais poderosos que testemunhei disso foi o de Stan Gerlach, um bem-sucedido homem de negócios bastante conhecido pela comunidade. Stan estava oficiando uma cerimônia fúnebre quando resolveu falar sobre o evangelho. Ao fim de sua mensagem, ele disse às pessoas que participavam do velório: "Você não tem como saber quando Deus levará sua vida. Quando esse momento chegar, não há nada que possa fazer a respeito. Você está preparado?". Um pouco depois, Stan sentou-se, seu corpo tombou e ele morreu. A esposa e os filhos tentaram reanimá-lo, mas não havia nada que pudessem fazer — exatamente como Stan havia falado alguns minutos antes. 
Nunca me esquecerei do telefonema que recebi. Saí correndo para a residência da família Gerlach. A esposa de Stan, Suzy, estava chegando em casa. Ela me abraçou e chorou. Um de seus filhos, John, saiu do carro em prantos. Ele me perguntou: "O senhor soube o que aconteceu?”. “Ouviu a história? Eu me sinto tão orgulhoso dele. Meu pai morreu fazendo o que ele mais gostava de fazer. Ele estava falando sobre Jesus às pessoas". 
Pediram-me que falasse alguma coisa às pessoas que estavam ali reunidas. Havia filhos, netos, vizinhos e amigos. Abri minha Bíblia em Mateus 10:32-33: "Quem, pois, me confessar diante dos homens, eu também o confessarei diante do meu Pai que está nos céus. Mas aquele que me negar diante dos homens, eu também o negarei diante do meu Pai que está nos céus". 
Pedi a todos que imaginassem como deveria ter sido aquela experiência para Stan. Em determinado momento, ele está participando de um culto fúnebre, dizendo às pessoas reunidas: "Esse é Jesus!". No instante seguinte, ele está diante de Deus, ouvindo Jesus dizer: "Esse é Stan Gerlach!". Um segundo antes, ele estava confessando Jesus; agora, é Jesus que o confessa! 
Acontece assim mesmo, bem rápido. Isso pode acontecer com qualquer um de nós. Nas palavras de Stan Gerlach: "Você está preparado?

Espero que em 2018 vivamos o melhor de Deus e que esta palavra seja suficiente para nos fazer desejar um jeito novo e diferente de vivermos a nossa vida.
Não esqueça o que foi falado hoje, deixe isso penetrar no seu coração e na sua mente.  Que em 2018 você lembre a todo instante que tudo é sobre Deus e que você é chamado para viver para o louvor da sua glória.

Feliz ano novo!

Fábio